TERREMOTO NO MÉXICO DEIXA MAIS DE 200 MORTOS

Pessoas retiram destroços para encontrar vítimas de terremoto no México - OMAR TORRES / AFP 
POR O GLOBO / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

CIDADE DO MÉXICO - O forte terremoto que atingiu o México nesta terça-feira deixou ao menos 217 mortos, edifícios destruídos e pilhas de escombros na capital e em mais cinco estados. Segundo a Defesa Civil mexicana, o tremor de 7,1 graus de magnitude matou ao menos 86 pessoas na Cidade do México, 43 em Puebla, 12 no Estado do México, quatro em Guerrero e uma em Oaxaca. A 120 quilômetros da capital, o forte tremor sacudiu a cidade, deixando rastros de destruição como prédios danificados, escombros de desabamento e pessoas feridas. Segundo a Prefeitura da Cidade do México, são pelo menos 49 os prédios que desabaram nas zonas do centro e do sul da capital. O aeroporto da capital mexicana suspendeu as atividades aéreas após o tremor.

Entre os mortos na capital federal estão 21 crianças e quatro adultos no desabamento da escola primária Enrique Rebsamen, onde 20 alunos seguem desaparecidos.

O abalo sísmico ocorre no mesmo dia em que se relembra o 32º aniversário do violento terremoto que arrasou o México em 1985, com milhares de mortos. As autoridades mexicanas realizaram nesta terça-feira uma grande simulação de terremoto no país inteiro, uma ação realizada anualmente na data.
O Serviço Sismológico Nacional do México informou que a magnitude do tremor foi de 7,1 na escala Richter, às 13h14 (horário local), com epicentro a 12 quilômetros a sudeste de Axochiapan, no estado de Morelos, com 57 km de profundidade. Inicialmentem o Serviço Geológico dos Estados Unidos relatou uma magnitude de 7,4.

O tremor também foi sentido em Oaxacla, uma das zonas mais afetadas pelo terremoto que atingiu o país em 7 de setembro, de magnitude 8,1, deixando 98 mortos e 200 feridos.

O presidente mexicano Enrique Peña Nieto anunciou no Twitter que convocou a Comissão Nacional de Emergência para avaliar a situação e coordenar ações de resgate. Ele afirmou que ativou o "PlanMX", um plano federal para proteger patrimônio e cidadãos mexicanos de todo o território em situações emergenciais.

Assim como em 1985, dezenas de civis se transformaram em socorristas improvisados para buscar sobreviventes entre os escombros, em meio a aplausos quando conseguiam tirar uma pessoa com vida. O governo disponibilizou 3.400 soldados para resgates na Cidade do México.
Em Puebla, ao menos 15 mil pessoas ficaram desalojadas no centro da cidade diante do risco de desabamentos após o tremor. De acordo com a fornecedora estatal de eletricidade CFE, ao menos 3,8 milhões de mexicanos estão sem acesso à energia.

Pessoas ficaram presas dentro de várias construções que se incendiaram na Cidade do México, disse uma autoridade de proteção civil à TV local. A televisão mexicana e as mídias sociais mostraram que alguns edifícios desabaram e carros ficaram esmagados por enormes blocos de concreto.

O acúmulo de pessoas nas ruas e o corte de eletricidade, que deixou sem funcionar os sinais de trânsito, provocam um caos no tráfego do centro. Na zona de Roma-Condesa, popular com seus bares e restaurantes, também desabou uma escola, que esmagou ao menos dois carros.

— Chegamos ao colégio e todo mundo [estava] chorando, todo mundo [ficou] desesperado e as crianças [ficaram] agarradas a uma corda — contou à AFP Jorge López, de 49 anos, que estava com os filhos de 6 e 3 anos.

Fonte O Globo