MILITARES DA RESERVA APOIAM GENERAL MOURÃO

General Heleno (de terno) apoia as declarações do colega MourãoFoto: Ricardo Borges/Folhapress
Como a coluna antecipou, ontem, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, está tomando todas as precauções para não transformar uma virtual punição ao general Antônio Hamilton Martins Mourão em combustível para os que desejam os quartéis mais inquietos com a crise política.

Villas Bôas vem sendo pressionado pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, para dar uma punição severa a Mourão a fim de que sirva de lição para outras "insubordinações". O problema é que se o Exército errar na dose, o general Mourão pode receber apoio de generais que ainda estão na ativa, o que geraria um clima de proporções inimagináveis, justamente, no momento em que o País enfrenta a queda na confiança das instituições.  

Por isso, Villas Bôas está demorando a tomar uma decisão.  

Para quem observa de fora, o general Antônio Mourão pode ser apenas mais um bufão perdido no tempo e no espaço, mas para quem está dentro, ele é um líder respeitado e suas palavras encontram eco em vários setores das Forças Armadas.

Tanto isso é verdade que desde a última sexta-feira, quando falou, claramente, na possibilidade de intervenção militar, Mourão tem angariado manifestações de apoio, por enquanto restritas aos militares da reserva.

Por enquanto.

A coluna recebeu uma dessas manifestações que explicam bem o que se passa em segmentos importantes da "família militar" nesse exato momento:

"Meu apoio irrestrito ao meu amigo de longa data e respeitado chefe militar, Gen Ex Antônio Hamilton Mourão. Em resposta a uma pergunta, colocada diante de uma plateia restrita, ele limitou-se a repetir, sem floreios, de modo claro e com sua habitual franqueza e coragem, o que está previsto no texto constitucional. A esquerda, em estado de pânico depois de seus continuados fracassos, viu nisso uma ameaça de intervenção militar. Ridículo. E mais, isso sim preocupante, o descaramento de alguns políticos, indiciados por corrupção e desvio de recursos públicos, integrantes da quadrilha que derreteu o país, cobrando providências contra um cidadão de reputação intocável, com 45 anos de serviços dedicados à Pátria. Aconselho que, pelo menos, se olhem no espelho da consciência e da vergonha. Brasil Acima de Tudo! Gen Heleno".

O general é Augusto Heleno Ribeiro Pereira, ex-Comandante Militar da Amazônia e o primeiro comandante da missão brasileira no Haiti.