TRECHO DA BR-101 NORTE É O SEGUNDO COM MAIS MORTES NO BRASIL


O trecho da BR-101 Norte, que passa pela Região Metropolitana do Recife (RMR) e que é alvo de reclamação dos motoristas há muito tempo, agora é comprovadamente o segundo com mais mortes no Brasil. Do quilômetro 60 ao 70, nas proximidade do bairro da Guabiraba, na Capital, foram registrados, em 2014, 681 acidentes e 13 mortes. Os dados foram levantados por uma pesquisa feita pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e divulgada nesta quarta-feira (23). O estudo mostra, ainda, que Pernambuco ocupa a nona posição na estatística nacional em números de colisões. Esse trecho da rodovia é o 14º em ocorrências automobilísticas graves.
Ao longo dos mais de dois mil quilômetros de estradas federais que cortam Pernambuco, em 2014, foram registrados 7,4 mil acidentes e 425 resultaram em mortes. O relatório “Acidentes de trânsito nas rodovias federais brasileiras” teve como base de dados informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Segundo o Ipea, nos últimos dez anos, o Brasil registrou aumento de 50,3% no número de acidentes em rodovias federais. As mortes cresceram 34,5% e a quantidade de feridos, 50%. Mas, nos últimos quatro anos, esses números vêm reduzindo; de 2010 a 2014, as mortes diminuíram aproximadamente 4,5%.
O chefe do Núcleo de Estatística da PRF, Marcos Vinícius Moreira, explica que a redução de mortes é uma tendência, já que há uma intensificação e melhora da fiscalização, com investimentos em tecnologia e capacitação de policiais. “E quando olhamos até o primeiro semestre de 2015 já temos uma redução muito alta, de aproximadamente 15% a 16%, no número de mortes”, disse Moreira. No caso do Recife, a maioria das colisões que resultaram em mortes foi provocada pela péssima condição de preservação da via. De acordo com a PRF, aproximadamente oito mil pessoas morreram e quase 100 mil ficaram feridas em 169 mil casos registrados em 2014 em todo o Brasil.
Além dos traumas causados às vítimas e seus parentes, os 169.163 acidentes que aconteceram nas rodovias federais em 2014 custaram ao país R$ 12,3 bilhões. O Ipea estima ainda que, se somar aos que ocorreram nas estradas estaduais e municipais, o valor pode chegar a R$ 40 bilhões.
Fonte: Folha PE