GRUPO FAZ 'ROLEZINHO' PARA DOAR SANGUE EM HEMOCENTRO DO RECIFE

Evento organizado no Facebook levou doadores ao Hemope neste sábado.
Apesar da iniciativa, movimento no Hemope continua abaixo do esperado.


No dia em que completa 22 anos, a estudante Thaís Emanuelle trouxe os amigos para doar sangue na Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco( Hemope), Zona Norte do Recife, na manhã deste sábado (1º). Ele teve leucemia em 2008 e é uma das organizadoras de um dos "rolezinhos” do Hemope, marcados pelo Facebook. Até a metade da manhã, o hemocentro já contava com aproximadamente 166 doadores na fila.

Thaís contou que convidou amigos e parentes para o “rolezinho” de doação de sangue. “Um dia quem estava do outro lado era eu e as pessoas desconhecidas vieram e doaram. É muito importante vir comemorar meu aniversário aqui com os meus amigos doando sangue para pessoas desconhecidas", afirmou.

O namorado de Thaís, Alessandro Carvalho, 21 anos, convivia com ela na época da doença. "Não doei porque era menor de idade, mas se pudesse eu tinha doado", disse brincando enquanto fazia a primeira doação. Já o amigo do casal, Anderson Félix, veio pela segunda vez. Voluntário de uma ONG da cidade, ele conta que vem quando pode. "Na primeira vez, que foi em setembro, vim junto com um pessoal. É muito bom fazer o bem", comentou.
Na rede social, outros eventos chamavam voluntários para o “rolezinho”. O garçom Deivid Cavalcanti veio para a doação porque uma amiga compartilhou a foto. "Compartilhei também, chamei amigos do trabalho. Acho ótimo ter um ‘rolezinho’ para doação de sangue. É minha primeira vez, estou com um pouco de medo, mas acho que vai ser tranquilo", afirmou.

Apesar dos “rolezinhos”, o movimento no Hemope continua baixo. A média do sábado é de 250 a 300 doações durante todo o dia, segundo a assistente social de plantão, Rosilene Santana. "O estoque está no limite, quase crítico. É realmente bom que a população compareça para a doação de sangue, principalmente o RH negativo, que está sempre baixo", orientou.

Os seguranças do local, no entanto, estavam preocupados com a vinda de grupos de protesto. "Num grupo de 50 ou 60 pessoas sempre pode ter alguém que queira quebrar coisas, então a gente fica alerta para não sair do controle", disse Eduardo Salustiano, chefe dos seguranças.

O Hemope funciona de segunda a sábado, inclusive feriados, das 7h15 às 18h30. Para doar é preciso ter entre 16 e 69 anos, mais de 50 quilos, não usar medicamentos controlados, nem ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 12 horas. Caso o doador tenha 16 ou 17 anos, precisa estar acompanhado dos pais ou responsáveis.  É necessário trazer documento original de identificação com foto.

Fonte:G1PE