FAIXA EXCLUSIVA PROVISÓRIA NA AVENIDA NORTE COMO SOLUÇÃO PARA A OPERAÇÃO DO TI DA MACAXEIRA

Uma faixa exclusiva para ônibus na Avenida Norte, que funcione provisoriamente, apenas no horário das 6h às 9h. Essa é uma das propostas que o Grande Recife Consórcio de Transporte pretende apresentar à Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) para tentar melhorar a operação do Terminal Integrado da Macaxeira, na Zona Norte da cidade. A ideia surgiu depois das cinco horas de sufoco com o protesto que fechou o TI, o segundo maior do sistema de transporte da Região Metropolitana do Recife, por onde passam 60 mil pessoas por dia e de onde chegam coletivos de quatro outros terminais (Igarassu, Pelópidas, Camaragibe e Barro).
O presidente do Grande Recife Consórcio de Transporte, Nelson Menezes, disse que vai sugerir a criação da faixa provisória, apenas no sentido subúrbio-Centro e no horário de pico. “Estamos pensando em soluções para otimizar o terminal. Ele está saturado, é fato, mas não temos como ampliá-lo porque não há terreno. A solução é construir um novo TI, que depende do projeto do corredor de BRT (Bus Rapid Transit) previsto para a BR-101. Vamos conversar com a CTTU e ver se é possível realizar essa ação”, explicou Menezes.
O presidente do Grande Recife argumenta que a única solução é abrir espaço nas ruas para o ônibus. “O intervalo da linha 654 (Avenida Norte/Macaxeira) chega a três minutos no horário de pico, ou seja, é muito pequeno. Mas o que vimos nesta quarta-feira foi um congestionamento monstruoso na Avenida Norte que comprometeu toda nossa operação. Os coletivos levaram 56  e até 77 minutos a mais do que o tempo máximo previsto no percurso entre o TI e o Centro. Não há outra alternativa que não seja prioridade para o transporte público na Avenida Norte. Sabemos que os motoristas de automóveis vão reclamar, mas é o jeito”, disse.
Na segunda-feira (17/2) uma comissão representativa do grupo que fez o protesto no TI da Macaxeira irá se reunir com a direção do Grande Recife para discutir a pauta de reivindicações e algumas soluções para a operação do terminal.

Fonte:JC