BEBÊS TROCADOS NA MATERNIDADE DE ABREU E LIMA

A chegada do segundo filho do casal Priscila Gomes da Silva, 22 anos, e Josinaldo Almeida da Silva, 28, tinha tudo para ser só alegria. Contudo, um possível erro da Maternidade de Abreu e Lima, no Grande Recife, acabou causando a troca do bebê deles com o de uma adolescente de 16 anos. O problema foi identificado pelos próprios profissionais da unidade de saúde, que informaram aos pais das crianças momentos antes da alta médica, no último sábado (20). Os recém-nascidos foram destrocados ainda na maternidade, mas os familiares convivem com a incerteza do parentesco, que só será confirmado após exame de DNA.

Abalados, Priscila e Josinaldo dizem que estão sem conseguir dormir desde a descoberta. O rapaz afirma que o medo de não serem os pais do bebê que levaram para casa os impedem de dar o devido carinho a ele. “Ficamos com medo de dar amor, se apegar e no final das contas não ser nossa criança”, preocupa-se. De acordo com Josinaldo, Priscila deu à luz um menino na última quinta-feira, e logo após o parto teria ocorrido a troca dos recém-nascidos. “Ela amamentou o filho de outra pessoa por três dias, enquanto o nosso filho estava com outra família”, lamentou.

Ainda no sábado, desesperado, o casal pediu ajuda ao pastor da igreja evangélica que frequenta. “Vim buscar a família na maternidade e descobri o ocorrido. Imediatamente acionei a polícia”, contou o pastor Nasson Gomes dos Santos. Um policial militar do 17º BPM foi até o local e apurou o caso com a enfermeira que teria avisado os pais da criança sobre a suposta troca. Ainda segundo o PM teria informado, a troca já teria sido desfeita e o hospital entraria em contato com os pais para marcarem um exame de DNA.

Uma queixa foi registrada na Delegacia de Paulista. No entanto, o caso foi encaminhado para a Delegacia de Abreu e Lima, onde o casal irá comparecer hoje. Estando com o filho nos braços ou não, o trauma causado nos pais é grande. “Tiramos fotos com a outra criança e mostramos a todo mundo. Toda felicidade se transformou em dúvida”, comentou Josinaldo. Ele contou que pretende entrar com uma ação na Justiça contra o município.


A Prefeitura de Abreu e Lima informou que, por meio de nota, se comprometeu a realizar o teste de DNA das crianças e fazer todo o acompanhamento das famílias no que for necessário. Comunicou ainda que vai abrir procedimento administrativo para saber das responsabilidades de cada servido no ocorrido. E que só vai dar mais detalhes depois da conclusão do inquerido e do resultado do exame, o que deve ocorre em 30 dias.

Via Folha de PE