Briga entre os governos piora drama na BR-101

Enquanto Dnit e governo do Estado trocam farpas sobre responsabilidade dos reparos, motoristas e pedestres amargam descaso na rodovia


Um jogo de empurra que se estende há, pelo menos, dois anos está longe de chegar ao fim. O projeto de reestruturação de 20 quilômetros da BR-101 (trecho entre Abreu e Lima e Jaboatão dos Guararapes) ainda não saiu do papel. Nesta sexta-feira, em entrevista à Rádio JC/CBN, o chefe do serviço de engenharia do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Emerson Moraes, afirmou que o governo estadual recebeu verba de R$ 125 milhões em dezembro de 2012 e até agora não iniciou o serviço. O secretário das Cidades, Danilo Cabral, reagiu à acusação e argumentou que o governo ainda não iniciou a reforma porque o processo de licitação foi interrompido a pedido do Dnit. “Ou ele (Moraes) está desinformado ou age de má-fé”, rebateu. Enquanto as duas esferas prolongam o debate, os buracos aumentam na rodovia e a população continua à espera de uma solução para o problema.
As discussões a respeito do projeto começaram em 2011. Em dezembro do ano passado foi firmado um convênio entre a Secretaria das Cidades e o Dnit. Na mesma época, foi liberado o valor de R$ 125.645.601,42 para que o governo estadual pudesse dar início às obras. “Esse trecho da BR-101, chamado de contorno do Recife, foi construído em 1980 e até hoje não passou por uma restauração. Desde dezembro, quando o convênio foi formalizado, a responsabilidade da reforma ficou com o governo estadual. Houve algum atraso em relação ao processo licitatório”, comentou Moraes. “Independentemente dos atrasos, o Dnit abriu licitação e contratou uma empresa para atuar na operação tapa-buraco, que já foi iniciada esta semana. Acreditamos que dentro de uns 10 dias esse trabalho paliativo será regularizado”, garantiu o representante do Dnit.
Nesta sexta pela manhã, durante a inauguração do Terminal Integrado do Barro, o governador Eduardo Campos enfatizou que, de acordo com o convênio assinado em dezembro, a responsabilidade do Estado é com a construção do corredor BRT. “Nosso papel é construir o corredor, o recapeamento da BR é com o Dnit”, disse.
Danilo Cabral argumentou que a licitação foi aberta no dia 6 de abril, mas, logo em seguida, o Dnit solicitou uma revisão do edital e por isso o documento está suspenso. “Entregamos tudo o que foi pedido no dia 23 de maio. Agora aguardamos uma resposta para que, enfim, possamos dar início, novamente, ao processo. A partir da liberação do Dnit teremos 90 dias para concluir o processo licitatório”, detalhou, sinalizando que a população ainda deve esperar muito tempo para ver o contorno urbano da BR-101 livre dos buracos.
No último dia 22, o Jornal do Commercio publicou uma reportagem detalhando o drama de motoristas que precisam trafegar com frequência pela rodovia. Dezenas de crateras dificultam o tráfego, provocando congestionamentos e acidentes. Além desse problema, há a falta de manutenção da vegetação do canteiro central. Em alguns pontos, o mato passa de dois metros de altura e prejudica a visualização de placas indicativas de retorno e quilometragem.

FONTE:JORNAL DO COMERCIO